Oasys Cultural
Pesquisa sem resultado

BLOG

1 2 3 4 5
“Laminário” na ANE em Brasília

22 de março de 2016

Blogando e Andando

Depois de anos escrevendo e atuando no programa Casseta & Planeta, Beto Silva se cansou de seus covers artísticos e começou a escrever um blog. Blogando e Andando surgiu desse trabalho. São textos, crônicas, contos, diálogos, cenas, pensamentos, frases. O lançamento é hoje, dia 22 de março, terça-feira, na Travessa Ipanema a partir das 19h. Na entrevista abaixo o humorista fala das suas crônicas e das situações inusitadas da vida online.

 

A crônica de humor permanece como uma das preferências do leitor brasileiro. Como ela consegue manter essa posição?

 

Acho que é porque a crônica de humor é uma maneira rápida e divertida de se falar sobre qualquer assunto. Em poucos parágrafos se consegue trazer uma ideia nova ou algum ponto de vista diferente e engraçado, sem perder a atenção do leitor.

 

Várias das suas crônicas dizem respeito às redes sociais e casos na Internet. A vida digital é o novo objeto de interesse do cronista e humorista?

 

As pessoas ainda não sabem muito bem como lidar com as mudanças que a internet, os smartphones e as novas tecnologias trouxeram para a vida cotidiana. Não existe um “manual de instruções” explicando como se comportar quando se usa esses aparelhos e isso, às vezes, acaba criando situações muito engraçadas. Pessoas que falam alto no celular no meio da rua, jovens que só conseguem se comunicar por whatsapp, garçons que, além de servir a mesa, precisam fotografar os clientes… são inúmeras situações cômicas que essa nova vida digital traz e que eu, como humorista, precisava abordar.

 

Alguns dos seus textos lidam com situações estranhas, bizarras. Como transformar uma situação inusitada em uma crônica de humor?

 

As situações bizarras podem ser trágicas ou engraçadas. Um dos papéis do humorista é justamente trazer o lado engraçado dessas situações estranhas ou bizarras. O humorista não trata do normal, do simples, do previsível, ele busca justamente o que ninguém viu, o que não se pensou, enfim, o inusitado. É daí, que ele vai tentar buscar a graça das situações.

 

Quanto tempo você levou para escrever os textos para o livro? De algumas dessas histórias surgiu inspiração para um novo romance?

 

Muitos dos textos do livro vieram de um blog que mantenho há alguns anos (www.betosilva.com.br). Eles foram escritos aos poucos, ao longo de alguns anos, semana a semana.  Quando decidi juntar esses textos e publicá-los num livro, resolvi que valia a pena acrescentar alguns inéditos, que produzi em pouco mais de dois meses. Portanto no livro existem textos de várias idades, alguns mais velhos e outros bem recentes, escritos há pouquíssimo tempo, ainda usando fraldas.  Mas, apesar das diferenças de idade, não há conflito de gerações, os textos convivem bem, em paz e harmonia, nas páginas do livro. Quanto ao romance, existe um em gestação, uma trama detetivesca, cujo protagonista é um jovem humorista, mas isso é outra história.

 

José Fontenele